Participe do grupo Misturebas no WhatsApp

Homem é condenado por trancar rival no porta-malas de veículo e atear fogo em Blumenau

Homem é condenado por trancar rival no porta-malas de veículo e atear fogo em Blumenau
Foto: Ilustrativa

Vítima só não morreu porque conseguiu se desamarrar e arrobar a porta para fugir.

Um homem denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pela tentativa de homicídio de um suposto integrante de facção rival e por integrar organização criminosa foi condenado pelo Tribunal do Júri da Comarca de Blumenau. A pena aplicada pela Justiça foi de 14 anos e oito meses de reclusão, em regime inicial fechado.

A ação penal ajuizada pela 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Blumenau relata o crime cometido no início da noite do dia 18 de novembro de 2018, por volta das 18h45min, no Bairro Fidélis.

Continua depois da publicidade

Conforme a ação penal, o reú e mais dois indivíduos não identificados encontraram a vítima em um local conhecido como cracolândia, no Bairro Itoupavazinha e suspeitaram que ela seria integrante de uma facção rival.

Os criminosos, então, convenceram a vítima a entrar no carro, onde o enforcaram até perder os sentidos. Em seguida, a colocaram no porta-malas do veículo e foram até outro local, no Bairro Fidélis. Ali atearam fogo no carro, com a vítima trancada do porta-malas, que só não morreu porque conseguiu se desamarrar e arrobar a porta para fugir antes de ser queimada viva.

A Promotora de Justiça Andrea Gevaerd sustentou no julgamento que o acusado praticou tentativa de homicídio triplamente qualificada, pelo uso do fogo, pelo motivo torpe e pelo uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. Além disso, imputou ao réu o crime de integrar organização criminosas.

–> LEIA TAMBÉM: Iphan visita obra da Antiga Escola Urbana de Timbó

Os jurados, que formam o Conselho de Sentença, concordaram com a tese do Ministério Público, e condenaram o réu pelo crimes denunciados. A pena de mais de 14 anos aplicada pelo Juízo do Tribunal do Júri deverá ser cumprida em regime inicial fechado.

De acordo com o MPSC, a sentença é passível de recurso, mas o réu, preso preventivamente para a garantia da ordem pública, não poderá fazê-lo em liberdade.

Compartilhe nas suas redes sociais


Siga as redes sociais do Portal Misturebas
Instagram: Clique aqui ✅ Telegram: Clique aqui
✅ Facebook: Clique aqui  ✅ Youtube: Clique aqui


Sugestão de pauta

Mais notícias
Atendimento