Participe do grupo Misturebas no WhatsApp

Camelôs já vendem vacina falsa contra a COVID-19 por R$ 50 no Rio de Janeiro

Camelôs já vendem vacina falsa contra a COVID-19 por R$ 50 no Rio de Janeiro
(Imagem: Reprodução/ Twitter)

Por mais R$ 10,00 é possível a aplicação no local, e a mercadoria vem acompanhada de um “certificado de vacinação”

Segundo o jornal Diário do Rio e relatos nas redes sociais, camelôs localizados em Madureira, um bairro da Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro, comercializam um suposto imunizante contra o coronavírus pelo valor de R$ 50,00. Inclusive, é possível a aplicação da fórmula desconhecida no local por mais R$ 10,00. Pelas imagens da caixa que circulam nas redes sociais, o produto é uma falsificação da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinopharm.

Em outro caso, ainda de outubro deste ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) notificou uma suposta comercialização irregular da vacinas contra a COVID-19 na cidade de Niterói, também no estado do Rio de Janeiro. Na ocasião, os responsáveis pela falsificação alegavam vender a vacina de Oxford, desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, no Reino Unido. Na época, a Anvisa recomendou: “Até que seja autorizado pela Anvisa, o cidadão NÃO deve comprar e utilizar qualquer vacina que tenha alegação de prevenir a COVID-19”.

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

Riscos de vacina ilegal contra a COVID-19

É importante saber que o uso da substância de procedência duvidosa pode causar sérios danos à saúde, já que não se sabe a sua composição. E isso pode gerar, inclusive, reações graves e até infecções, por exemplo. “Não se sabe o que foi manipulado no produto e qual substância está sendo aplicada na pessoa. É preciso ter aval da Anvisa para atestar a eficácia de vacinas e remédios. E, até o momento, nada foi aprovado no país”, explicou o presidente da Sociedade Mineira de Infectologia (SIM) e integrante do Comitê de Combate à COVID-19 em Belo Horizonte, Estevão Urbano, para o jornal O Tempo.

Além disso, quem falsifica, corrompe, adultera ou altera um produto destinado para fins medicinais comete um crime hediondo e é passível de uma pena de reclusão de até 15 anos. “Vender medicação que não está autorizado e sem fiscalização de todas as agências regulatórias é crime contra a saúde pública”, comentou o juiz aposentado Linviston José Machado.

Compartilhe nas suas redes sociais


Redação Misturebas

Seja o repórter e nos envie fotos e dados!
WhatsApp Chat: http://abre.ai/grupomisturebas
Instagram: instagram.com/portalmisturebas
Telegram: https://t.me/misturebas

Portal Misturebas – A informação ao seu alcance | 13 anos ®️


Sugestão de pauta


Mais notícias
Atendimento