Participe do grupo Misturebas no WhatsApp

Matriz de risco aponta 15 regiões de Santa Catarina em estado gravíssimo

Matriz de risco aponta 15 regiões de Santa Catarina em estado gravíssimo

Desde o dia 9 de dezembro, o Estado registrou 36.531 novos casos e 415 mortes causadas pela Covid-19

A Matriz de Risco Potencial para a Covid-19 divulgada nesta sexta-feira, 18 de dezembro, pelo Governo de Santa Catarina e Secretaria de Estado da Saúde (SES) classifica 15 das 16 regiões de saúde em alerta gravíssimo. Somente a região de Xanxerê encontra-se em nível grave.

Em relação aos dados divulgados na semana passada, a Foz do Rio Itajaí e o Extremo Oeste foram reclassificados para o nível gravíssimo.

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

Ainda de acordo com a Matriz, houve um aumento no número de óbitos nas regiões do Extremo Oeste e Meio-Oeste. No índice de capacidade de atenção, que mede a taxa de ocupação de UTIs, todas as regiões encontram-se em nível gravíssimo. Conforme a atualização, 12 regiões estão com o nível de monitoramento também em nível gravíssimo. Alto Uruguai, Extremo Oeste, Meio-Oeste e Xanxerê foram classificadas com nível grave.

Desde o dia 9 de dezembro, data de divulgação da última matriz, Santa Catarina registrou 36.531 novos casos e 415 mortes causadas pela Covid-19.

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

Mudanças na matriz

Os integrantes do Centro de Operações de Emergência em Saúde se reuniram extraordinariamente na quarta-feira, 16, para apresentar algumas mudanças nos indicadores da matriz de risco. Segundo a epidemiologista Maria Cristina Willemann, mudou-se o ajuste do número de ativos por nowcasting, agora chamado de infectantes. Também houve modificação da dimensão “monitoramento” pelo novo perfil epidemiológico, já que muitos casos estão sendo resultado de aglomerações em grupos intrafamiliares.

LEIA TAMBÉM: Homem encontra recém-nascida em frente a casa do vizinho, em Blumenau

A epidemiologista descreveu que a dimensão do monitoramento como estava programada gerava uma distorção no indicador do efeito de desenho da síndrome gripal. O indicador de sensibilidade, assim, passou a ser medido por confirmação laboratorial dos PCR, não mais utilizando dados que necessitam de informação individual no e-SUS.

“Isto vai provavelmente reduzir possíveis erros provindos de instabilidade no sistema de informação ou diminuição da capacidade de digitação pelos municípios”, informou Maria Cristina. “Também fizemos alteração de parâmetros de ocupação dos leitos de UTI, reduzindo para 80% o nível mais crítico”, acrescentou.

 

Fonte: Governo de SC | Por Fabrício Escandiuzzi
Compartilhe nas suas redes sociais


Redação Misturebas

Seja o repórter e nos envie fotos e dados!
WhatsApp Chat: http://abre.ai/grupomisturebas
Instagram: instagram.com/portalmisturebas
Telegram: https://t.me/misturebas

Portal Misturebas – A informação ao seu alcance | 13 anos ®️


Sugestão de pauta


Mais notícias
Atendimento