Participe do grupo Misturebas no WhatsApp

Ex-professor de Timbó acusa deputado Estadual de praticar rachadinha

Ex-professor de Timbó acusa deputado Estadual de praticar rachadinha
Foto: Divulgação

Laércio Schuster foi prefeito do município entre 2009 e 2016.

O deputado Estadual Laércio Schuster (PSB), foi acusado nas redes sociais pela prática de rachadinha, que consiste em obrigar servidores públicos a repassar parte do salário ao agente público que os nomeou. A denúncia foi feita nas redes sociais por um ex-professor de música de Timbó.

Bill Jonnathan Pereira, afira que Schuster, prefeito da cidade entre 2009 e 2016, praticou o crime de rachadinha em sua gestão. A denúncia ocorreu a partir de uma crítica feita pelo ex-professor a um vídeo gravado pelo parlamentar, no qual Laércio reclama de ter sido barrado de uma coletiva de imprensa sobre o retorno das cirurgias eletivas, concedida pelo atual prefeito de Timbó, Jorge Krüger (Progressistas), e pelo Secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro.

Continua depois da publicidade

O ex-servidor, relatou na publicação a situação em que o deputado colocava os agentes públicos. “Se Laércio fosse o que diz ser, não cobraria 5% de todo salário de cargo comissionado em sua gestão como prefeito de Timbó”.

Segundo Bill, todos os meses Laércio mandava algumas pessoas, definidas por ele como “capangas”, para cobrar o valor dos servidores. “Sem contar que o seu assessor era o cara que saia oferecendo grana fácil para quem rachasse com o tal deputado”, destacou.

Ele ainda desafiou o deputado a processá-lo por calúnia e difamação. “Mas, ele até hoje não conseguiu olhar na minha cara. Sabe porque? Porque é corrupto. SIMPLES ASSIM”, concluiu.

Outra fonte do SC em Pauta, confirmou a suposta prática da rachadinha na gestão do ex-prefeito. Segundo ela, outros servidores da época também tiveram que contribuir. Ela afirma que cabia a uma ex-secretária o papel de receber a contribuição, a qual definiu como “espontânea”.

“Todos os servidores da prefeitura conhecem este fato. Aliás, a tal secretária era a facilitadora das manobras com erário que enriqueceu ilicitamente o tal deputado. Muito papel queimado na churrasqueira da casa dela”, relatou a fonte anônima.

>> LEIA MAIS: Trabalhador morre prensado por máquina em São Cristóvão do Sul

Bill fez mais postagens denunciando o esquema na rede social e direcionou a um vereador. “Querido Vereador! Por favor, não confunda meu posicionamento político com meter o terror. Meter o terror é saber que praticam injustiça, roubam, desviam, fazem caixa 2, e tantas outras coisas, independente qual governo está atuando é mesmo assim fazer de conta que não vê. Se posicionar não é meter o terror. É exercer cidadania e falar o que precisa ser dito”, publicou.

No sábado (10), o ex-professor voltou a falar sobre o assunto, indagando sobre a decisão de apresentar a denúncia. “Não tenha medo quando estiver falando a verdade. Tenha medo sim, quando estiver mentindo”, comentou. Com informações do SC em Pauta.

O Portal Misturebas entrou em contato com a assessoria do deputado Laércio, que emitiu um comunicado oficial, conforme podemos conferir na íntegra abaixo:

COMUNICADO OFICIAL

Com relação às fake news que circulam em alguns blogs pela internet, tentando relacionar o Deputado Laércio Schuster com a hoje tão falada prática de rachadinha em nível de Brasília, temos a dizer que:

1 – Nitidamente é uma ação que está sendo orquestrada por pessoas envolvidas em corrupção no Governo do Estado, em concluiu com adversários políticos locais, para tentar denegrir a imagem do Deputado, um contundente opositor à corrupção no Governo Moisés, principalmente na Secretaria de Estado da Saúde;

2 – Tal “denúncia” é baseada única e exclusivamente no comentário de Facebook de uma pessoa, que luta há anos contra a dependência química e que merece nossa solidariedade;

3 – Alguns blogs a serviço dos corruptos decidiram usar o comentário de uma pessoa fragilizada, de forma vil, para tentar dar um ar de “denúncia”, sem qualquer embasamento jornalístico ou jurídico para isso;

4 – Tal modus operandi demonstra apenas que o Governo do Estado, comandado pelo Chefe Moisés, está determinado a tentar calar aqueles que denunciam os desmandos, autoritarismo e corrupção em seu Governo;

5 – Durante o processo de impeachment o Deputado sofreu perseguição semelhante, vítima de fake news. Reviraram a vida do Deputado de cabeça para baixo e, como nada encontraram, agora usam de notícias falsas e plantadas para tentar denegrir a imagem de um político diferenciado, que luta contra os corruptos;

6 – Com este caso fica ainda mais claro que os corruptos se protegem e têm a seu serviço uma máquina de perseguição e difamação para encobrir os seus mal-feitos, dentro e fora do Governo do Estado.

Portanto, a partir de hoje, qualquer assunto nesse sentido será tratado direta e exclusivamente pela assessoria jurídica particular do Deputado, que será custeada com seus próprios vencimentos: o escritório de advocacia Menezes Niebuhr Sociedade de Advogados, que irá processar na Justiça quem promover e divulgar fake news contra o Deputado.

Sem mais, agradecemos a compreensão. Assessoria de Imprensa – Deputado Laércio Schuster

Compartilhe nas suas redes sociais


Siga as redes sociais do Portal Misturebas
Instagram: Clique aqui ✅ Telegram: Clique aqui
✅ Facebook: Clique aqui  ✅ Youtube: Clique aqui


Sugestão de pauta

Mais notícias
Atendimento