Participe do grupo Misturebas no WhatsApp

Megaoperação do Imetro-SC detecta fraudes eletrônicas em Blumenau e Pomerode

Megaoperação do Imetro-SC detecta fraudes eletrônicas em Blumenau e Pomerode
Foto: Divulgação/Imetro/SC

Foram cinco dias de trabalho intenso em todo o estado.

Uma megaoperação de combate às fraudes e fiscalização dos postos de combustível mobilizou as equipes do Instituto de Metrologia de Santa Catarina (Imetro-SC) durante uma semana. Foram cinco dias de trabalho intenso em todo o estado, de 28 de junho a 2 de julho.

O portal do Governo de SC informou que, com atuação em 151 postos de 20 municípios, foram fiscalizadas 1.377 bombas medidoras, sendo 40 interditadas e 91 reprovadas. Os peritos do Instituto detectaram fraudes eletrônicas nas cidades de Blumenau e Pomerode, no Vale do Itajaí.

Continua depois da publicidade

“O Imetro-SC tem trabalhado cada vez mais com empenho e afinco na fiscalização e na defesa dos direitos do consumidor. Defendendo a justa concorrência de mercado e atuando para detectar fraudes de combustível, sejam elas mecânicas ou eletrônicas”, ressaltou Rudinei Floriano, presidente do Imetro-SC.

Entre as 40 bombas medidoras interditadas, em seis delas foram detectadas fraudes eletroeletrônicas (duas em Pomerode e quatro em Blumenau). Os equipamentos vão ficar lacrados até a realização do reparo. Os donos dos estabelecimentos recebem notificação do Imetro-SC, respondem a procedimento administrativo com prazo para apresentar defesa.

       >> LEIA TAMBÉM: Prefeitura de Blumenau alerta para fraudes na abertura de empresas pela internet

A multa pode chegar a até R$ 1,5 milhão. Já os estabelecimentos em que as 91 bombas foram reprovadas têm prazo de dez dias para regularização do equipamento.

FRAUDE ELETRÔNICA

O ardil utilizado pelos postos de combustível é uma fraude eletroeletrônica. A falsificação permite a manipulação do interruptor de ajuste do fornecimento da quantidade de combustível que passa pela bomba.

“Consiste na manipulação de dois fios elétricos, que permitem burlar o sistema de controle da quantidade de combustível sem violar o lacre de proteção, entregando volume inferior ao pago pelo cliente”, explicou Floriano.

Compartilhe nas suas redes sociais


Siga as redes sociais do Portal Misturebas
Instagram: Clique aqui ✅ Telegram: Clique aqui
✅ Facebook: Clique aqui  ✅ Youtube: Clique aqui


Sugestão de pauta

Mais notícias
Atendimento