Participe do grupo Misturebas no WhatsApp

Plano de trabalho prevê reuniões da CPI da Pandemia três vezes por semana

Plano de trabalho prevê reuniões da CPI da Pandemia três vezes por semana
O relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL), apresentou o plano de trabalho nesta quinta-feira. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

De acordo com o plano de trabalho, a CPI deve trabalhar “com respeito à memória daqueles que se foram”, que hoje ultrapassam 400 mil brasileiros.

De acordo com a Agência do Senado, a CPI da Pandemia fará reuniões às terças, quartas e quintas, disse nesta quinta-feira (29) o relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), ao apresentar seu plano de trabalho. Segundo Renan, não será necessária a aprovação do plano pela comissão, pois o documento apenas sistematiza o roteiro dos trabalhos, com referência às fases de investigação.

— É evidente que esse plano de trabalho não vai limitar a investigação. A investigação é que vai indicar os limites. À medida que caminhamos, teremos as bases da investigação — declarou Renan Calheiros.

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

Conforme disse o relator, a criação de sub-relatorias ainda não foi definida. Ele apontou, no entanto, que essa decisão cabe ao colegiado. Na opinião de Renan, a primeira semana da CPI foi produtiva, destacando a confirmação do seu nome na relatoria por parte do STF. O senador disse esperar que, ao final desses 90 dias, a comissão possa apresentar uma apuração isenta, que satisfaça os anseios do país. Renan lembrou que, mais cedo, a comissão já havia aprovado a convocação de ministros da Saúde e mais de 100 pedidos de informação. Ele ainda prometeu trabalhar com isenção.

— Os próximos requerimentos a serem aprovados vão dar o balizamento do trabalho da CPI. Só deve ter preocupação quem tem sido aliado do vírus. Quem não é aliado não deve ter preocupação — alertou Renan.

O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse que as decisões sobre o plano de trabalho foram tomadas com base em sugestões de membros da comissão. Ele lamentou o fato de alguns dos requerimentos apresentados terem sido elaborados dentro das estruturas do governo, conforme divulgado pela imprensa. Ele prometeu trabalhar sem tumulto e disse esperar que não exista mais qualquer “ação protelatória”.

— Isso nos parece uma intervenção indevida. Mas podemos assegurar algo que não admitiremos que a CPI sofra interferência externa. Uma CPI é um instrumento do Congresso, nesse caso, do Senado — disse o senador, que ainda disse confiar na fidelidade das instituições militares.

Documento

O plano de trabalho indica que é necessário investigar se, “somado à gravidade de um vírus potencialmente letal, o poder público agiu de maneira adequada ao propósito de minimizar perdas e proteger a população”. O documento ainda estabelece que não se pretende apontar o “ponto de chegada” da apuração, mas indicar um “ponto de partida”, uma linha inicial de investigação, “que, naturalmente, será incrementada e enriquecida pelos depoimentos, perícias, estudos e documentos oficiais que serão reunidos ao longo do trabalho dessa CPI”.

As linhas gerais de investigação serão as ações de enfrentamento à pandemia, a assistência farmacêutica, as estruturas de combate à crise, as ações de prevenção e atenção à saúde indígena e o emprego de recursos federais. A CPI foi proposta com o objetivo de apurar as ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia da covid-19 no Brasil e, em especial, no agravamento da crise sanitária no Amazonas com a ausência de oxigênio para os pacientes internados.

 

Compartilhe nas suas redes sociais


Siga nossas redes sociais
Instagram: Clique aqui ✅ Telegram: Clique aqui
✅ Facebook: Clique aqui  ✅ Youtube: Clique aqui


Sugestão de pauta


Mais notícias
Atendimento