Participe do grupo Misturebas no WhatsApp

Operação investiga médicos por fraude em ponto de Hospital de Joinville

Operação investiga médicos por fraude em ponto de Hospital de Joinville
Fotos: PCSC

Médicos deixavam o Hospital após registrar o início do turno e retornavam apenas para registrar a saída

Na manhã de terça-feira, 15 de dezembro, a Polícia Civil e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) cumpriram, em atuação conjunta, 11 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça contra médicos que atuam no Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, em Joinville.

A ação é da Divisão de Investigação Criminal (DIC). As investigações iniciaram em setembro deste ano e passaram a apurar denúncias de que médicos que atuam no referido hospital estariam burlando o controle de frequência a que estão submetidos, não cumprindo a carga horária mensal de trabalho, em que pese auferirem seus vencimentos de forma integral.

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

Conforme a DIC e o GAECO, que atuaram integrados nas investigações, foram 45 dias de monitoramento dos policiais no cotidiano profissional destes médicos, sendo apurado que os servidores – médicos de variadas especialidades – registravam a entrada no hospital, via ponto biométrico, mas logo depois deixavam o local sem constar a saída, seguindo então para a realização de inúmeras atividades particulares, dentre atendimentos em clínicas privadas, compras no comércio e atividades esportivas, retornando ao trabalho apenas para inserir digitalmente à saída.

LEIA TAMBÉM: Populares controlam incêndio em residência no Santa Tereza, em Aurora

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

Segundo verificado nos vínculos funcionais dos suspeitos com o Estado, todos são servidores concursados e recebem entre R$ 9 mil e R$ 20 mil mensais por uma jornada de 80 horas/mês.

Conforme a Polícia Civil, foi apurado ainda, que através da fraude investigada, alguns servidores receberam, inclusive, horas extras e adicional noturno. Os investigados responderão pelo crime de falsidade ideológica (art. 299 do CP). Além disso, poderão também ser responsabilizados civilmente.

Compartilhe nas suas redes sociais


Redação Misturebas

Seja o repórter e nos envie fotos e dados!
WhatsApp Chat: http://abre.ai/grupomisturebas
Instagram: instagram.com/portalmisturebas
Telegram: https://t.me/misturebas

Portal Misturebas – A informação ao seu alcance | 13 anos ®️


Sugestão de pauta


Mais notícias
Atendimento