Participe do grupo Misturebas no WhatsApp

Alesc aprova segundo pedido de impeachment do governador e arquiva denúncia contra vice

Alesc aprova segundo pedido de impeachment do governador e arquiva denúncia contra vice
Foto: Reprodução/TV Globo

Justificativa para esse pedido de afastamento é relativa à compra de 200 respiradores a R$ 33 milhões

A comissão especial da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) aprovou por unanimidade, na manhã de terça-feira, 13 de outubro, a continuidade do processo do segundo pedido de impeachment contra o governador Carlos Moisés (PSL). O documento apresentado pelo deputado Valdir Cobalchini (MDB), responsável pelo relatório, pediu o arquivamento da denúncia contra a vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido) neste processo.

O pedido de afastamento é relativo à compra de 200 respiradores com preço de R$ 33 milhões pagos antecipadamente e sem garantia de entrega e pela tentativa de contratação de um hospital de campanha em Itajaí. O governador nega responsabilidade na compra dos equipamentos.

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

Com a aprovação, o segundo processo de impeachment passará por votação no plenário da Alesc, na qual votam os 40 deputados estaduais. A data não foi divulgada até as 14h desta terça.

Outro processo de impeachment está em andamento e em fase de julgamento. Uma votação em 22 de outubro pode decidir se o governador e a vice serão ou não afastados dos cargos por 180 dias. Esse primeiro pedido aponta crime de responsabilidade no aumento salarial dado aos procuradores do estado.

Continua depois da publicidade

AGWP

A sessão começou às 9h, com a leitura do relatório, e terminou às 12h45 com a votação dos deputados na Alesc em Florianópolis.

A comissão especial é formada por nove deputados. Veja abaixo como cada um deles votou:

  • Ada de Luca (MDB): Voto favorável ao parecer do relator
  • Valdir Cobalchini (MDB): Voto favorável ao parecer do relator
  • Ana Campagnolo (PSL): Voto favorável ao parecer do relator
  • Paulinha (PDT) – líder do governo: Não estava presente na hora da votação
  • Kennedy Nunes (PSD): Voto favorável ao parecer do relator
  • Marcius Machado (PL): Voto favorável ao parecer do relator
  • Nazareno Martins (PSB): Voto favorável ao parecer do relator
  • Sergio Motta (Republicanos): Voto favorável ao parecer do relator
  • Fabiano da Luz (PT): Voto favorável ao parecer do relator

A deputada Paulinha (PDT), líder do governo na Alesc, deixou a sessão antes da votação. Os deputados rejeitaram um pedido dela e da defesa do governador para que a sessão fosse adiada para análise de novos documentos acerca do processo.

O documento analisado durante a sessão desta terça tem mais de 80 páginas. No relatório, Cobalchini se baseou nos autos da acusação e nas defesas apresentadas pelo governador e vice.

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

LEIA TAMBÉM: Conheça as medidas de segurança contra Covid-19 para o dia da votação

A denúncia foi apresentada à Alesc no dia 10 de agosto por 16 pessoas, entre elas advogados e empresários, e aceita pelos deputados em 3 de setembro.

No documento apresentado à comissão especial em 29 de setembro, a defesa afirmou que não havia justa causa para a denúncia ser aceita e que não houve conduta ilegal ou omissa por parte do governador.

Continua depois da publicidade

Misturebas - Anúncio
Foto: Diógenes Pandini/ NSC

O que diz o pedido

Os autores do segundo pedido de impeachment afirmaram que o governador cometeu crime de responsabilidade no episódio da compra dos 200 respiradores por R$ 33 milhões com dispensa de licitação e no processo de contratação do hospital de campanha de Itajaí, que acabou cancelado.

O pedido diz ainda que Moisés prestou informações falsas à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos respiradores e não adotou procedimentos administrativos contra os ex-secretários Helton Zeferino, da Saúde, e Douglas Borba, da Casa Civil, investigados no caso dos respiradores.

Em relação à vice, os denunciantes disseram que ela cometeu crime ao se omitir no caso da compra dos aparelhos por R$ 33 milhões.

Essa compra também é alvo de uma investigação que cumpriu mandados de busca e apreensão na casa do governador e de dois ex-integrantes do governo.

Foto: Reprodução/Alesc

Próximos passos

O trâmite é o mesmo do primeiro pedido de impeachment. A comissão terá cinco sessões ordinárias para fazer o parecer indicando se a denúncia deve ou não ser aceita.

Caso os integrantes rejeitem a denúncia, o processo é extinto. Porém, ela precisa ser votada em plenário, como ocorreu com o primeiro pedido no dia 17 de setembro.

LEIA TAMBÉM: Governo prorroga até dezembro programa que permite redução de jornada e salário

Primeiro pedido de impeachment

Os deputados estaduais votaram pelo prosseguimento do primeiro processo de impeachment contra o governador e a vice. Neste caso, a solicitação de afastamento foi oficializada em julho e aponta suspeita de crime de responsabilidade em aumento salarial dado aos procuradores do estado em 2019. As defesas de Moisés e Reinehr negam que tenha havido crime de responsabilidade fiscal. Esse pedido deve ser avaliado pelo tribunal de julgamento em 22 de outubro.

A Alesc e o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) escolheram os cinco deputados e cinco desembargadores que fazem parte do tribunal misto que vai julgar o processo de impeachment contra Moisés e Reinehr.

Um terceiro pedido de impeachment contra o governador foi entregue pela CPI dos Respiradores à Alesc em 8 de setembro. De acordo com a assembleia, esse documento seguia em análise até a publicação desta notícia.

 

Fonte: G1 | Por Karollayne Rosa
Compartilhe nas suas redes sociais


Redação Misturebas

Seja o repórter e nos envie fotos e dados!
WhatsApp Chat: http://abre.ai/grupomisturebas
Instagram: instagram.com/portalmisturebas
Telegram: https://t.me/misturebas

Portal Misturebas – A informação ao seu alcance | 13 anos ®️


Sugestão de pauta


Mais notícias
Atendimento