Onyx diz que governo vai rejeitar ajuda financeira do G7 anunciada por Macron

Onyx diz que governo vai rejeitar ajuda financeira do G7 anunciada por Macron

Segundo Macron, o grupo decidiu destinar 20 milhões de euros para combater as queimadas.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou ao blog que o governo rejeitará a ajuda do G7 para combater as queimadas na Amazônia, anunciada na segunda-feira, 26 de agosto, pelo presidente da França, Emmanuel Macron. A assessoria do Palácio do Planalto confirmou a informação dada por Onyx.

O anúncio da ajuda foi feito na França, após Macron ter participado de uma reunião do G7. Segundo ele, o grupo decidiu destinar 20 milhões de euros para combater as queimadas.

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

O presidente francês e o presidente Jair Bolsonaro têm feito críticas públicas um ao outro desde a semana passada.

“Agradecemos, mas talvez esses recursos sejam mais relevantes para reflorestar a Europa. O Macron não consegue sequer evitar um previsível incêndio em uma igreja que é um patrimônio da humanidade e quer ensinar o quê para nosso país? Ele tem muito o que cuidar em casa e nas colônias francesas”, disse Onyx ao blog.

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

“O Brasil é uma nação democrática, livre, e nunca teve práticas colonialistas e imperialistas como talvez seja o objetivo do francês Macron. Aliás, coincidentemente, com altas taxas internas de rejeição”, acrescentou o ministro da Casa Civil.

Ao blog, Onyx Lorenzoni disse ainda que o Brasil pode ensinar “a qualquer nação” como proteger matas nativas. “Aliás, não existe nenhum país que tenha uma cobertura nativa maior que o nosso”, acrescentou.

MRE fala em ‘iniciativas redundantes’

Por meio de nota, o Ministério das Relações Exteriores (MRE) informou que apesar do “suposto lançamento de novas iniciativas relacionadas à Amazônia” para reflorestar a região, já existem instrumentos previstos para esse tipo de medida.

De acordo com a nota, as ações estão previstas na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e já incluem, por exemplo, o pagamento por países desenvolvidos como a França de US$ 30 bilhões pela redução, no Brasil, de emissões de gases de efeito estufa.

“Espera-se da França — e de outros países que porventura apoiem suas ideias — que se engajem com seriedade nessas discussões no âmbito da UNFCCC, ao invés de lançar iniciativas redundantes, com montantes que ficam muito aquém dos seus compromissos internacionais, e com insinuações ambíguas quanto ao princípio da soberania nacional”, afirma o MRE.

Salles disse que ajuda é ‘bem-vinda’

Mais cedo, na segunda-feira, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegou a dizer que a ajuda anunciada pelo G7 era “bem-vinda”.

Também na segunda, Bolsonaro não disse se aceitaria ou não o apoio, mas questionou o anúncio feito por Macron. “Será que alguém ajuda alguém — a não ser uma pessoa pobre, né? — sem retorno? […] O que que eles querem lá há tanto tempo?”.

Fundo Amazônia

No último dia 15, quando a Noruega decidiu suspender o repasse de recursos para o Fundo Amazônia, o presidente Bolsonaro sugeriu ao país que repassasse o dinheiro para a Alemanha.

“A Noruega não é aquela que mata baleia lá em cima, no Polo Norte, não? Que explora petróleo também lá? Não tem nada a dar exemplo para nós. Pega a grana e ajude a Angela Merkel a reflorestar a Alemanha”, afirmou Bolsonaro na ocasião.

 

Fonte: G1 | Por Gerson Camarotti | Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Compartilhe nas suas redes sociais


Sugestão de pauta

Deixe um comentário.


Receba as novidades no seu email


Mais notícias
Atendimento