Garoto de 12 anos é detido pela segunda vez em uma semana após furtos em Blumenau

Garoto de 12 anos é detido pela segunda vez em uma semana após furtos em Blumenau

Ele teria relatado aos policiais que comete os furtos "para comprar coisas que gosta".

Um garoto de 12 anos foi apreendido na noite de segunda-feira, 14 de outubro, em um shopping de Blumenau. É a segunda vez em uma semana que ele é flagrado cometendo furtos em estabelecimentos comerciais da cidade.

Segundo a Polícia Militar, às 20h20, os policiais foram acionados para uma ocorrência de furto em uma lanchonete, na Rua Joinville, no bairro Vila Nova.

Continua depois da publicidade

Misturebas - A informação ao seu alcance!

De acordo com relato da vítima à PM, imagens do sistema de monitoramento, registraram o momento que o suspeito entrou no vestiário dos funcionários e furtou dinheiro que estava dentro de uma mochila. Segundo o funcionário, o garoto levou R$470 em espécie.

Os policiais identificaram o suspeito, como sendo um adolescente, que já havia sido apreendido após entrar no escritório de uma clínica odontológica, na Rua XV de Novembro, e furtar R$ 1,6 mil, que estava na carteira do dono do estabelecimento.

Continua depois da publicidade

Misturebas - Anúncio

Pouco tempo depois, às 21h20, a PM foi acionada em um shopping, às margens da BR-470, no bairro Salto do Norte, em Blumenau. No local, os seguranças estavam com o garoto de 12 anos, que havia sido detido após furtar lojas dentro do centro comercial.

Com o menor foram encontrados máscaras, pistolas, revólver, algemas e granadas, todos os objetos de brinquedo, além de uma caixa de som portátil. Uma mochila com rojão e R$ 3,3 mil também foram apreendidos com o garoto.

Ele teria relatado aos policiais que comete os furtos “para comprar coisas que gosta”. Segundo o tenente-coronel Jefferson Schmidt, comandante do 10º Batalhão da Polícia Militar, o máximo que pode acontecer é ser encaminhado para uma casa de recuperação.

Não é comum para a nossa região crianças se envolverem em ações criminosas tão cedo. Isso pode ser reflexo do relacionamento familiar, mas também de outros problemas que possam desencadear este comportamento – afirma Schmidt.

Para o analista de segurança Eugênio Moretzsohn, quando esses casos são noticiados nos jornais, o primeiro pensamento é que o Estado falhou ao evitar que o adolescente trilhasse os primeiros degraus da carreira do crime. Mas ele ressalta que outros atores que falharam nesse processo, como a família. Entretanto, como muitas se omitem nesse papel, acabam transferindo à escola e seus heroicos professores essa atribuição que deveria ser indelegável.

Somente por meio da verdadeira mobilização social (família, igreja, Estado e organizações da sociedade civil) poderemos dar o tratamento adequado à questão do menor infrator, que exige tratamento multidisciplinar e que, antes de tudo, começa pelo planejamento familiar – completa o analista de segurança.

 

Fonte: NSC | Foto: Polícia Militar
Compartilhe nas suas redes sociais


Sugestão de pauta

Deixe um comentário.


Receba as novidades no seu email


Mais notícias
Atendimento